domingo, 10 de julho de 2011

Zero Grau

dói, a pele nua próxima ao zero grau centígrado e o  papelão dos euro burgos tecnocratas não seria suficiente para explicar olhares polímero recicláveis que trans elucidam vitrines com sensores de alarme  ao sinal: 

aguarde!

seu sonho de consumo pode ser um furo no aparelho psíquico destruído por falsas promessas, melhor dizer, o equívoco de esperar regozijo tal, que nos alcance ao final

da performance!


Ricardo Pozzo

Um comentário:

Andréia Carvalho disse...

.teatro no frigorífico cosmopolita.