quinta-feira, 25 de abril de 2013

poema-resposta (ou: inspeção da carcaça de um anjo por um destacamento de moscas sequiosas)


não, astolfo,
eu não diria "um pássaro de pano",
eu não diria isso. eu diria:
uma mosca.

uma mosca é mais terrível
que um botão de flor, que a campainha;
uma mosca (e outra mosca e outra ainda)
que pousasse, terrível
nos terríveis,
nos botões e nos gatilhos

em washington, cartago e hiroshima,
em troia e bagdá, em katyn
ou treblinka.

moscas dos verões berlinenses, entre
61 e 89,
passeavam – e livremente –
dos lixões ocidentais, onde
um braço decepado apodrecia,
às fezes semilíquidas
de burocratas do partido.

mosquinhas delicadas, idem:
roçaram os arames, os alarmes e vigias
e punham ovos
nos pomares de potsdam,
na árvore sem lembranças
em que enforcaram também suas crianças
os últimos nazistas.

mesmo ao lancetado cristo, quando
debandaram os apóstolos, é bem possível
que uma ou duas moscas
lhe fizessem companhia.
moscas mesmo sobre os corpos
de heitor e lincoln, menelau ou bonaparte,
aquiles, lênin, nixon.

e se ora elas põem ovos
no laquê de merkel, na lapela
dos financistas, nos bigodes
de todos os políticos,
na aposentadoria
de bush pai & filho & cia

– como antes
nas florestas da bolívia
pisaram sem coturnos
o rosto mais fashion
do socialismo –,

entortam, isso é certo, também a pose
de carla bruni (enésima-neta
de cesare,  felipe – o belo)
supirando, ciciando uns versos
de emily dickinson.

e embora eu ame maiakóvski – o maior
poeta entre os políticos –
e me toquem mais que o claro enigma
as cartas de drummond a stalingrado,
nada impede que seja um pássaro
de pano imagem bem ridícula.

nada disso impede, astolfo,
que uma mosca seja a lira, dos homeros
a concisa, cantando aos mortos num campo de batalha;
nada impede

que uma mosca seja tanto
ou mais poética
que um avião de guerra, um helicóptero
sobre as torres de petróleo líbio:

pois se a mosca pousa e alça voo, astolfo,
acredita!,

também levanta os pós e as areias,
também encrespa as águas e cabelos,
espalha as páginas avulsas
dessa tua ilíada.


Rodrigo Madeira

Um comentário:

twelvetribes disse...

Quebra cabeça de imagens repulsivas da existência solitária desses simulacros políticos. Existe uma esperança, não lograda em libido dessa vez, no potencial argumentativo da crítica subjacente à descrição mórbida. A curiosidade mórbida rebuscada por letras e subjetividade antagônica à própria existência encontra lapsos de lucidez próximos de um potencial tranformador da realidade o que pode ou não ser objeto da arte.